Instalando servidor PostgreSql no Linux [Manual]

Instalando servidor PostgreSql no Linux.


Sem vindos ao Blog DomínioTXT. 
Anteriormente no blog DominioTXT ja tínhamos falado sobre os “Banco de dados e suas portas” de acesso e também demonstramos aos usuário como proceder na hora de efetuar um “Backup do banco de dados Postgres” tanto por Terminal quanto por “Command”, porem não aviamos debatido a forma de efetuar a instalação deste Data-base.

Devido a facilidade de instalação e configuração do mesmo em um servidor de ambiente Microsoft, hoje mostraremos apenas a forma utilizada pelos nossos Técnicos para efetuar este processo em uma maquina que contenha o Sistema Operacional Linux.


Vale lembrar que durante a instalação do Sistema Operacional o instalador do Linux oferece a adição do PostgreSql junto, porem não indicamos a utilização desta, pois o nosso foco é implantar o mesmo em uma maquina já em funcionamento com o sistema operacional ativo.

Com o terminal do linux aberto vamos efetuar a instalação do banco de dados com o comando abaixo. Com este comando iremos instalar a ultima versão disponível no repositório do Ubuntu.


Debian/Ubuntu.

# apt-get install postgresql


Fedora/CentOS.

# yum install postgresql-server

Obs.: caso tenha necessidade de saber qual a ultima versão disponível da aplicação, utilize o comando abaixo para obter o retorno no terminal.

#apt-cache search postgresql*

Após a instalação ser concluída vamos configurar alguns parâmetros no nosso PostgreSql para que possamos acessa-lo.

Definindo a senha do usuário Postgres.


Como ja sabemos o bando de dados Postgres vem com uma senha de usuário padrão, o que deixa o acesso ao banco desprotegido, o que faremos a seguir é altera-la para uma senha mais segura, de preferência que contenha letras, números e caracteres especiais.

Localize a pasta “bin” do seu banco de dados, e em seguida execute estes comandos como usuário “root”.

#su postgres
#psql
#alter user postgres with password 'senha';
#grant all privileges on databae “DATABASE” to "USUARIO";


Em seguida saia do Executor de SQL com o seguinte comando.

#\q

Liberando acesso ao Postgres.


Diferente dos outros data-bases, o Postgres não libera acesso externo para nenhuma estação que não seja o localhost, o que impede que outros usuários efetuem alterações e consultas no banco de dados, mesmo tendo usuários e senha cadastrados.

Para liberar acesso ao banco de dados precisamos editar dois arquivos o “pg_hba.conf” e o “postgresql.conf” que estão normalmente localizados na pasta.

Debian Ubuntu:

#/etc/postgresql/9.3/main/
Fedora CentOS:
 

#/var/lib/pgsql/data/
Primeiramente vamos editar o arquivo “postgresql.comf”, nele iremos alterar duas linhas, sendo a primeira #listen_addresses =’localhos’, onde iremos remover a marcação de comentario “sustenido” e trocar a referencia ‘localhost’ por ‘*’. Desta forma o Postgres vai aceitar não apenas conexões vindas da sua maquina e sim das demais que tentarem se conectar. Abaixo segue imagem de como deve ficar.



DominioTXT - Postgresql1



 

A seguir iremos iremos efetuar outra alteração neste mesmo arquivo, que será a encriptação de senha, para tornar as nossas conexões mais seguras. Procure a linha que contenha o seguinte #password_encryption = on, e remova o sustenido novamente.

Abaixo segue o exemplo.

DominioTXT - Postgresql2




Feito isso salve o documento “postgresql.conf” e feche. Agora vamos definir quem pode ter acesso ao nosso banco de dados. Abra o documento “pg_hba.conf” e na ultima linha insira um dos parâmetros abaixo, que atenda as suas necessidades.

Para liberar a conexão para apenas o IP 10.1.1.10.

host all all 10.1.1.10/32 md5

Ou para liberar para todos os IP do range 10.1.1.0.

host all all 10.1.1.0/16 md5

Ou tambem podemos liberar para qualquer IP.

host all all 0.0.0.0/0 md5

Após efetuar estas alterações no arquivos “pg_hba.conf” salve o documento como fizeste no anterior e reinicie o data-base PostgreSql para que as novas regras entrem em vigor.
Abaixo segue os comando para os respectivos sistemas.

Debian Ubuntu:

# /etc/init.d/postgresql restart

Fedora CentOS:

# service postgresql restart

Para testar a conexão podes utilizar o programa PgAdminIII ou o próprio Terminal do Linux ou Command caso esteja utilizando uma interface Windows, porem é necessário que as maquinas contenham o programa PgAdmim instalado.

#psql -h Numero_IP -U usuário

Diferença entre MD5 e PEER.


Ambas são métodos de autenticação configurados no arquivo “pg_hba.conf” porem tem funcionamentos diferentes.

O MD5 funciona apartir da autenticação de um usuário e senha, que é indicado no ato da configuração da conexão, o que é mais indicado para conexões diversas através da aplicação ou mesmo do PgAdmim.

O método do tipo PEER consistem em um sistema de autenticação automatizado, que utiliza o usuário e senha da própria maquina local para autenticar a conexão entre o usuário e o banco de dados.


A todos o meu singelo agradecimento.

Gostou do Blog, então deixe o seu comentário.
Quer sugerir algum assunto? Notou algo que não confere com o assunto?
Mande sua opinião, sugestão ou reclamação. Contato DomínioTXT.

Fonte: PostgreSql.org

Deixe seu comentário...